domingo, 8 de agosto de 2010

A chuva pretensiosa caía com pequenas gotas de amor que invadiam a rua e o meu corpo...
Este ainda sentia o teu odor e sentia o quente que emanava na tua cama a chamar para mais uma investida.
O céu cinzento contrastava com a estação do ano mostrando que a natureza ainda encerra muitos mistérios. Assim como o teu coração encerra os desejos ardentes por mim, aos quais acedo pelos dedos das minhas mãos que percorrem o teu corpo, procurando tesouros escondidos.
Volto para trás, afinal ainda é cedo e a tua cama tem um fascinio ao qual não posso nem quero resistir...
Enviar um comentário