segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Para reter: PJ alerta para perigo de divulgar desaparecidos online

Não se devem divulgar imagens ou informações, através da Internet, a respeito de pessoas desaparecidas sem o prévio consentimento da polícia, alertou um responsável da Polícia Judiciária.

Em declarações à agência Lusa, Ramos Caniço, director da Unidade de Informação de Investigação Criminal da Polícia Judiciária (da qual faz parte a Brigada de Investigação e Averiguação de Desaparecidos da PJ da Lisboa), explicou que a divulgação do desaparecimento de uma pessoa na Internet ou nos meios de comunicação social só deve ser feita depois da Polícia Judiciária ter analisado se a integridade física da vítima não poderá, dessa forma, ser posta em causa.

De acordo com Ramos Caniço, o primeiro passo consiste em fazer análise sobre se a divulgação vai "ajudar ou prejudicar a investigação", porque, "em última análise, uma divulgação pode ser a diferença entre a vida e a morte do desaparecido".

"Não se deve partir para a divulgação rápida de um desaparecimento, quando não se sabe se estamos perante um desaparecimento voluntário, um rapto ou um sequestro", defende o responsável, citado pela agência.

Assim, os familiares deverão primeiro comunicar a situação às autoridades para que estas possam garantir a segurança dos visados, porque o modo correcto de agir depende da natureza do desaparecimento.

No caso de a pessoa ter desaparecido de livre vontade, a família deve recorrer a todos os meios de que disponha para chamar a atenção para o facto, mas se houver indícios de que a pessoa possa ter sido raptada ou sequestrada, a situação não deve ser dada a conhecer, para não colocar em risco a integridade física da vítima.

Fonte: http://tek.sapo.pt/noticias/internet/pj_alerta_para_perigo_de_divulgar_desaparecid_1090599.html
Enviar um comentário