sexta-feira, 17 de julho de 2015

E da consulta de hoje e do que vai cá dentro...

Hoje seria o dia D. O dia que saberia o meu plano de tratamentos.
No entanto, só terça feira saberei algo, pois a médica quer tirar mais uns conselhos com mais médicos porque há duas opções:
Ou me operam primeiro e faço a quimio ou será o contrário. Cada opção tem um risco e eles estão a ver os prós e contras.
A principal preocupação é a forma de me alimentar. Neste momento, só me alimento de líquidos o que se traduziu numa considerável perda de peso. Neste momento peso 56 kilos. Ora sem me alimentar direito o meu corpo ficará mais fraco para aguentar a quimio.
Todas essas questões entram na equação...
Se quisesse fazer uma piadinha parva, nada como um tumor no cólon para nos por magrinhas com corpinho de top model...
Se me perguntarem como me sinto, obviamente que estou a atravessar a pior fase da minha vida. Sempre fui super saudável, raramente ia ao médico, a nível gástrico nunca tive problemas, comia de tudo sem problemas. De repente o mundo desaba quando nos dizem que temos Cancro.
A palavra até arrepia...Cancro e talvez pelo peso da palavra é que sinto mais medo.
Se há altura em que desespero, sim muitas, se há alturas em que me revolto e pergunto porquê eu, sim enumeras... Um diagnóstico de cancro caí -nos como uma espada sobre a cabeça e parece que perdemos o fôlego da vida.
Os corredores dos hospitais tornaram -se merdosos, o cheiro do hospital torna -me mais doente. Os médicos assumiram uma postura de quase mestres de quem tenho respeito e sobretudo medo.
E a minha energia é sugada naquele lugar, ali perco todas as minhas alegrias... Quero tanto sorrir lá e pensar que vai correr tudo bem, mas às vezes é tão difícil.
Não me posso queixar, antes pelo contrário, do pessoal médico. Tenho o telemóvel da minha médica, as enfermeiras sabendo do meu caso debruçam -se em mimos e tentam falar comigo enquanto me cortam a pele para por um cateter.
Nessas alturas penso na família, nos amigos e sobretudo rezo. Eu que tinha deixado de rezar, agora peço -lhe força, sussurro orações, peço força. Penso nos meus familiares falecidos e peço que guiem e orientem os médicos para a minha cura. Imagino locais que irei visitar novamente, pessoas que amo e amei e tento sair dali um pouco...
Por isso, amigos peço que nas vossas orações, pedidos, meditações reservem um pouquinho da vossa energia para mim...
Espero sinceramente que daqui a um tempo, no final da minha luta chore de alegria a ler estas palavras e gritar bem alto, EU CONSEGUI!





Enviar um comentário