terça-feira, 14 de julho de 2015

Quando nos tiram o chão....

Pensei muito se haveria de escrever isto, ou envolver o blogue nesta minha luta. Pensei deixar ficar tudo no anonimato e deixar o blogue ao abandono, mas por outro lado poderá ser uma forma de falar, desabafar sobre o maior desafio da minha vida.
Tudo começou um dia após o meu aniversário. Após o jantar fiquei com muitas dores na barriga, pensava que a comida não tinha caído bem e passei a noite em claro com dores.
Nos dias seguintes fui melhorando, bebendo chá e assim, mas volta e meia tinha cólicas e não haviam forma de desaparecer.
Falei com a médica de família, nova medicação mas sem uma resolução plena.
Até que na madrugada de 1 de Julho acordo com uma dor bem forte que pensava que fosse o apêndice.. Toca a ir ao hospital... Lá fizeram as habituais análises (sangue, urina e raio X) mas não chegavam a uma conclusão... Resolveram fazer uma ecografia e lá disseram -me que teria de fazer um TAC.
Comecei a ficar preocupada.....

Disseram -me que ia fazer o Tac naquele mesmo dia... Entretanto a médica vem falar comigo a dizer que a ecografia tinha mostrado quatro nódulos sólidos no fígado que por sinal podia significar um tumor noutra parte do corpo...

E eu fiquei sem respirar naquele momento... A palavra tumor paralisou todo o meu corpo e eu só olhava para a médica e para a minha mãe e dizia que não podia ser porque eu não tinha outros sintomas...

Ficou resolvido que faria um TAC com contraste para descartar essa hipótese. O resto do dia entrei em pânico e a partir daí foi uma montanha russa.

Quando fiz o TAC percebi que algo se passava pois me dariam o resultado no dia seguinte.

Com isto chega o dia 3 de Julho onde primeiro no centro de saúde, com a médica e família, e depois já no hospital com a médica se confirmou o diagnóstico: tumor maligno no cólon avançado com metásteses no fígado.

Se não caí redonda naquela sala, não caio tão cedo.

Amparada por familiares recebi a notícia que mais medo tinha. Segundo o médico tenho um grande desafio pela frente e estão a testar as melhores opções.

O que tenho contra mim é a minha idade, 33 acabados de fazer, sou muito jovem para um tumor desses, por outro lado a minha idade também é o ponto forte, pois aguentarei mais coisas que uma pessoa mais velha.

A partir daí, a minha vida tem sido exames, picadas, cateter e um misto de emoções que só quem passa por elas poderá entender... Os restantes nem sonham...

Neste momento só posso me alimentar sob a forma líquida, nada de sólidos, tudo passado e mais que passado... Eu que adoro comer...

Esta sexta será mais uma etapa pois terei a consulta de Oncologia onde saberei a frequência de tratamentos e os prováveis efeitos secundários...

Vou tentanto falar do assunto aqui, mas da forma mais leve, a parte pesada, vou deixar para a minha esfera mais intima.

Agradeço a todos os familiares e amigos que estão comigo na luta e que sofrem e choram juntamente comigo.

E a todos vocês vou tentando postar outras coisas, no sentido de  manter alguma normalidade na medida do possível.

Um beijinho e obrigada


Enviar um comentário