sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Hoje tive a certeza que o meu coração já não te pertence.
Senti o vazio e soube que o deitaste fora como quem se despede de algo antigo e valioso com pena mas com a certeza que não nos pode acompanhar mais.
Senti o vazio a corroer a carne, a serrar todo o meu corpo e deixei de te sentir. O teu odor que me acompanhava foi uma pequena brisa que se esfumou no ar como quem ao longe diz um seco adeus. Deixei de sentir a tua respiração, bem mais rápida do que a minha e passei a respirar por mim. Nesse momento, senti a tua perda.
Como o inferno pode surgir diante dos nosso olhos, da nossa alma.
E o pior que isto, é que tudo à volta seguia na normalidade, as crianças brincavam, as pessoas corriam de um lado para o outro, a mulher esperava na fila para pagar o tabaco e ninguém, mas ninguém reparou que o meu mundo morreu ali. Que estou corroída por dentro de perda e pesar, que sou apenas uma existência sombria. Tantas dúvidas,tantas, mas uma certeza me assombra desde aí; Hoje tive a certeza que o meu coração já não te pertence..
Enviar um comentário