domingo, 15 de dezembro de 2013

Sugestão de prenda de Natal: Livro Contos do Caneco!


Como acho que devemos promover e ler mais autores Portugueses e que escrevem sobre Portugal, destaco este livro de contos que é uma excelente prenda de natal.
Quem não gosta do Alentejo, mais concretamente da zona Zambujeira do Mar? Todos nós claro!
Este livro junta 5 escritores que em cada conto descrevem uma história com as paisagens belíssimas da região. Este livro dá -nos a conhecer belas histórias, invocando zonas em podemos conhecer e passear. Por isso este livro pode ser interessante para novas ideias de escapadinhas e ajudam a promover o que é nosso!

Abaixo segue uma boa descrição do livro e como podem adquirir!

Contos do Caneco, uma colectânea de contos que “têm lugar nas paisagens de São Teotónio e Zambujeira do Mar”, da autoria de Fernando Évora, João Pedro Duarte, José Teles Lacerda, Luís Miguel Ricardo e Vítor Encarnação. Trata-se de uma iniciativa concebida e promovida pelo Clube dos Poetas Vivos, da Admira – Associação para o Desenvolvimento da Região do Mira, que reuniu os referidos escritores – “cuja vida e obra estão, de algum modo, ligadas ao Alentejo”

No conto que abre o livro, intitulado “Férias quase imperfeitas”, Luís Miguel Ricardo conta as férias de dois adolescentes em Zambujeira do Mar. A acção “decorre num grande suspense em que quando se pensa que o azar já foi o suficiente, o destino os surpreende uma vez mais”. 

Uma revelação da mãe “no leito de morte leva a que Rocha, um lisboeta instalado na vida, venha a terras da Zambujeira e São Teotónio à procura do pai”. Uma “aventura inesperada, contada ao jeito de thriller e com o humor característico de João Pedro Duarte”, é o conto que se segue, intitulado “Boa viagem”. 

“Terno tesouro” é uma aventura de piratas nos Alteirinhos, “narrada em forma de lenda”. José Teles Lacerda é o autor da estória, “contada muito ao seu estilo numa linguagem rica e apurada”.

No quarto conto – “Paris existe?”, de Fernando Évora – “cruzam-se duas histórias de São Teotónio: a de um roubo e homicídio nos anos cinquenta, num meio marcadamente rural (estória com características de policial) e a de um chefe de cozinha que regressa à terra no final da vida, para acertar contas com as suas origens”.

O livro encerra “com o estilo poético de Vítor Encarnação”, que narra “A Excursão” “desde o interior do Alentejo até à Zambujeira, com o fito de ver o mar, sonho de Maria de Fátima e de seu filho”. Já o pai “faz--se acompanhar do garrafão. Termina-se com o olhar no infinito”. 

(retirado daqui).

Para adquirir o livro enviando um email para: admira.geral@gmail.com


Enviar um comentário